Notícias

Reflorestamento: Conheça os tipos de árvores mais comuns para esta prática

24/09/2018

.:: conteudo_37367_1.jpg ::.

O reflorestamento de árvores em áreas que perderam as características originais, seja por ações resultantes da atividade humana ou naturais, é de grande importância para à biodiversidade. Ainda assim é importante saber quais são as espécies adequadas para cada bioma e quais são os tipos de árvores mais comuns para esta prática.

Um dos critérios básicos que a atividade deve considerar, segundo os especialistas, diz respeito à necessidade de se usar diferentes espécies nativas do próprio local - o que permite a diversidade biológica e estimula o retorno também da fauna (animais). Os objetivos do reflorestamento podem ser ambientais (recuperação de áreas degradadas), ou comerciais (produção legal de produtos madeireiros). No aspecto ambiental, tal prática pode viabilizar uma série de melhorias ecológicas, sociais e econômicas, o que traz impactos positivos e acaba fortalecendo a região agrícola envolvida.

Entre os possíveis benefícios ambientais do reflorestamento estão a diminuição da erosão nos solos, devido à maior cobertura vegetal, produção e sequestro do dióxido de carbono (CO2). No aspecto social podem ser destacadas a geração de empregos e a maior relação entre os cooperados, enquanto o econômico valoriza o giro de capital por meio do emprego do projeto e a contribuição para o aquecimento local do comércio de mudas, defensivos e do produto final, a madeira serrada.

Com intenção de se fazer um reflorestamento ou regeneração de mata nativa, existem algumas considerações:

1 -  Fator de regeneração progressiva.

Em uma área degradada, a recomposição da mata se faz por etapas. Em primeiro lugar aparecem as espécies pioneiras, mais rústicas, tolerantes ao sol pleno, de pequeno a médio porte, crescimento rápido e menos exigentes. Após estabelecido o que chamamos "mato", composto destas espécies e arbustos, que normalmente são as consideradas pragas da lavoura, começam a surgir as espécies intermediárias, que se aproveitam da sombra das primeiras, e depois as chamadas "climax", que são árvores de grande porte e longevidade, que dominarão a mata, reduzindo as pioneiras a um percentual muito menor, formando o chamado sub-bosque.

Portanto, quanto a este fator, deve-se evitar o plantio de espécies climax em terreno aberto e limpo. Considera-se então que as pioneiras se desenvolverão mais rapidamente, fornecendo sombra para as climaxes. Ou então procura-se aproveitar a vegetação existente, e plantar as climaxes em seu meio. Nestes casos, é necessário dosar a proteção fornecida pelas pioneiras, devido ao risco de abafamento, fazendo limpezas seletivas de tempos em tempos.

2 - Fator clima, altitude, solo.

Existem espécies que se adaptam melhor a solo mais seco ou mais úmido, arenoso, etc. Algumas espécies preferem climas frios, outras só produzem com muito calor. Algumas exigem altitudes mais baixas ou mais elevadas. Normalmente as espécies climaxes exigem um solo mais rico em adubação. Com uma boa literatura é possível obter muitos destes dados.

Efetivamente, vai se obter um resultado melhor escolhendo-se as espécies adequadas.

3 - Fator regional (macro região).

Existe uma vegetação característica para cada região do país. As principais são:

 

Floresta Amazônica

Cerrado

Caatinga nordestina

Mata Atlântica

Vegetação litorânea

Pantanal

 

Normalmente uma espécie que compõe a vegetação típica da região a ser reflorestada sempre se adapta bem, respeitando-se compatibilidade de clima e solo. Por isso é importante observar as matas remanescentes da região, identificando as espécies que se adaptam bem ali, e dar preferência a elas. É muito comum que uma espécie exuberante em uma região não consiga boa adaptação a outra, as vezes a poucos quilômetros do local.

Desta forma é muito importante plantar as espécies predominantes da mata original, de preferência originárias de sementes colhidas nas proximidades, que certamente apresentarão desenvolvimento mais rápido e garantido, e depois mesclá-las com outras espécies nativas de interesse.

 

5- Fator aplicação

Trata-se da finalidade para que se quer o reflorestamento. Normalmente os mais comuns são três requisitos:

 

Árvores frutíferas para atrair e manter a fauna (muitas vezes não são frutos comestíveis para o homem).

Árvores de grande porte (as tradicionais, também conhecidas como madeira de lei)

Árvores com floração atraente, que também são melíferas, para a apicultura (procurando-se espécies que floresçam em épocas diferenciadas).

Existem muitas espécies que atendem a mais de um dos requisitos, as vezes até os três, veja alguns exemplos de espécies nativas de cada tipo.

 

Frutíferas: Goiaba, Araçá, Murici, Papagaio, Pombeira, Cajá, Pitanga, Gabiroba.

Grande porte: Jequitibá, Sapucaia, Peroba do Campo, Inuíba, Copaíba, Garapa.

Com Flores: Ipês, Quaresmeira, Mulungu, Canafístulas, Faveiro.

 

Principais categorias de mudas nativas para reflorestamento:

Pioneiras

Embaúba – Cecropia (diversas espécies)

Angico jacaré – Piptadenia gonoacantha

Caja mirim – Spondias monbin

Fedegoso - Senna macranthera

Fedegoso gigante – Senna alata

Leiteira – Tabernaemontana fushiaefolia

Pombeira - Cytharexylum myrianthum

Papagaio ou tamanqueira - Aegiphila sellowiana

Capixingui - Croton floribundus

Sangra d’agua - Croton urucurana

Marianeira - Acnistus arborescens

 

Intermediárias

Amendoim do mato – Pterogyne nitens

Aroeira vermelha - Schinus terebinthifolius

Cabreúva, Balsamo - Myroxylon balsamum

Canafístula de fava - Cassia ferruginea

Canela branca - Ocotea spichiana

Caroba branca - Sparattosperma leucanthum

Catuaba branca - Eriotheca candolleana

Farinha seca – Albizia haslerii

Guapuruvu - Schizolobium parahyba

Ingá – Inga edulis

Ipê amarelo do Cerrado - Tabebuia chrysotricha

Ipê roxo – Tabebuia avellanedae

Jacarandá da Bahia – Dalbergia nigra

Jenipapo - Genipa americana

Mulungu - Erythrina verna

 

Climaxes

Angico vermelho (mam. Porca) - Anadenanthera macrocarpa

Araribá - Centrolobium robustus

Brauna preta – Melanoxylon brauna

Cedro - Cedrela fissilis

Copaiba - Copaifera langsdorfii

Garapa - Apulea leiocarpa

Cutieira ou boleira – Joanesia princeps

Inuiba - Lecythis lúrida

Ipê amarelo da mata – Tabebuia serratifolia

Jatobá – Hymeneae courbaril

Jequitibá rosa - Cariniana legalis

Paratudo - Hortia arbórea

Pau Brasil – Caesalpinia echinata

Pau dalho - Gallesia intergrifolia

Pau ferro – Caesalpinia ferrea

Pau rei – Pterygota brasiliensis

Peroba do campo – Paratecoma peroba

Sapucaia – Lecythis pisonis

Vinhatico - Plathymenia foliosa

 

Vale destacar que das três categorias citadas, existem muitas outras espécies e categorias de árvores recomendadas  para o reflorestamento.